Como me preparar para viagens em alta temporada?

Quer aproveitar a alta temporada naquele destino dos seus sonhos? Neste artigo, vamos mostrar como viajar nos períodos mais disputados gastando menos. 

Embarcar numa viagem é maravilhoso em qualquer época do ano, não é mesmo? No entanto, os melhores destinos turísticos do mundo têm na alta temporada as condições ideais para fazer uma visita.

Em geral, o período mais procurado de um país (ou uma cidade) é aquele em que as atrações estão em pleno funcionamento e oferecem uma experiência completa para o visitante. Por exemplo: as estações de esqui de Bariloche, na Argentina, são mais visitadas durante o inverno (junho a setembro), enquanto as praias de Santa Catarina ficam cheias no verão (de dezembro a março).

Como a demanda por passagens aéreas, hospedagens e serviços de turismo aumenta nesses períodos, os preços tendem a subir. O ideal é que os viajantes antecipem as reservas, para que não paguem valores elevados dias antes do embarque.

Vai viajar durante a alta temporada? A seguir, saiba como preparar sua aventura, as recomendações pré-embarque e quais são os melhores destinos para conhecer nessa época!

Opte por viagens alternativas na alta temporada

Uma maneira de curtir as viagens na alta temporada é escolher destinos menos concorridos. Quando uma cidade é muito procurada, mas sua infraestrutura comporta um número pequeno de turistas, os serviços oferecidos tendem a ficar mais caros e limitados.

Elegendo um município ou país alternativo, os viajantes podem encontrar ótimos descontos. As empresas aéreas programam uma quantidade de voos para os períodos de grande procura — que precisam ser lotados para que as companhias não tenham prejuízos.

É nesse momento que aparecem as melhores promoções para os destinos, com maior diversidade de voos e hospedagens. Quem busca por uma viagem para a Europa durante o verão (junho a setembro), por exemplo, vai perceber que os locais com menor capacidade de atender à demanda de turistas sempre têm as tarifas mais altas.

Exemplos na Europa

A encantadora Amsterdam, na Holanda, recebe milhões de visitantes durante a época de temperaturas mais elevadas, lotando as aeronaves e toda a rede hoteleira, que inclui até barcos estacionados nos canais. Essa grande procura faz com que a cidade seja uma das mais caras para visitar no continente.

Já em Berlim, a capital da Alemanha, os turistas contam com milhares de opções de voos e estadias, que vão desde os hotéis tradicionais, passam por hostels e chegam até apartamentos inteiros. Mesmo na alta temporada, os valores encontrados são muito mais em conta se comparados à principal cidade holandesa no mesmo período.

O caso dos destinos brasileiros

Quando fazemos essa comparação entre alguns dos principais destinos brasileiros, podemos usar os exemplos de Fernando de Noronha e das cidades do litoral do Nordeste. No arquipélago, existem regras rígidas de controle do número de visitantes, com a cobrança de taxas por dia de estadia e pela entrada nas unidades de conservação, onde estão as principais atrações de Noronha.

Na época de alta procura, como durante as férias escolares (janeiro e julho) e os feriados prolongados (Carnaval ou festas de final de ano), fica mais caro conhecer esse belo destino — que está localizado na costa do Brasil, a 540 quilômetros de Recife, em Pernambuco.

Uma boa alternativa para as datas mais concorridas seria optar por uma das capitais da região Nordeste. Essas cidades têm grandes quantidades de aviões chegando e partindo todos os dias, além de oferecerem uma incrível variedade de hospedagens, na qual se destacam os resorts localizados na beira do mar.

Como esses estados não são muito extensos, é possível até esticar o passeio para as praias mais distantes dos grandes centros. Enfim, a boa oferta de serviços de turismo e atrações nos destinos alternativos faz com que essa modalidade de viagem seja a mais indicada para as datas consideradas de alta temporada.

Faça um bom planejamento financeiro

Viajar é uma experiência incrível, não importa o destino. No entanto, os custos de um deslocamento devem ser bem estudados antes do embarque. Os gastos com passagens, traslados, estadias, alimentação, passeios e outras atividades precisam ser conhecidos, para que os viajantes não sejam pegos de surpresa durante os momentos de folga.

Quando os turistas deixam de controlar os valores da aventura, correm o risco de acabarem gastando mais do que o orçamento inicial estabelecido conforme suas condições. Esse descuido no planejamento da viagem pode trazer dores de cabeça futuras: as dívidas nos cartões de crédito, que cobram altas taxas de juros em caso de atrasos no pagamento das faturas, são alguns exemplos.

Pesquise bastante na internet para ter uma ideia clara de quanto custa passar alguns dias em determinado destino. Procure por experiências ou depoimentos de outras pessoas e cheque o valor das entradas de atrações e atividades de lazer, refeições, aluguéis de veículos ou impostos cobrados pelas cidades, além das despesas extras que podem aparecer.

Faça uma planilha e identifique os valores de cada um dos itens da viagem — que podem ser estimados, mas devem se basear na realidade de cada local. Veja, junto aos serviços de turismo, a possibilidade de parcelar as reservas, sempre com o cuidado para que não existam juros aplicados sobre o valor final do produto (passagem aérea, hotéis, atrações).

Tome cuidado com o câmbio de moedas estrangeiras

Quando a viagem é para o exterior, uma das tarefas dos turistas é realizar a troca de Reais pela moeda do país a ser visitado. Esse câmbio pode ser feito tanto no Brasil como no destino, mas existem diferenças nas cotações em cada uma das milhares de empresas especializadas no serviço.

Quando a transação ocorre ainda no nosso país, os viajantes devem procurar por um operador de câmbio credenciado pelo Banco Central. As taxas adotadas são as que o mercado financeiro estabelece diariamente, então os valores podem variar bastante em um curto espaço de tempo. Também é cobrado, sobre cada operação realizada, o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) de 1,1%.

Quando as cotações estão em um período de grande flutuação, o indicado é que os viajantes comprem as moedas estrangeiras aos poucos, dividindo o montante em algumas semanas. Essa prática acaba equilibrando os valores pagos e evitando prejuízos.

Reserve hotéis com bastante antecedência

Assim como acontece com as passagens de avião, os preços das estadias durante a alta temporada de um destino turístico são estabelecidos conforme a oferta e a procura. As melhores hospedagens, bem como as tarifas mais atrativas, costumam ser reservadas com bastante antecedência.

Quem deixa para procurar onde ficar pouco antes da viagem corre o risco de pagar até o dobro do valor por um quarto. Portanto, estabeleça a data de sua jornada e, logo em seguida, pesquise as hospedagens disponíveis na cidade a ser visitada.

Vale lembrar que os finais de semana e feriados são as datas mais concorridas, então o turista que quer economizar deve marcar sua chegada fora desses dias. Aos domingos, os estabelecimentos tendem a esvaziar, já que as diárias vencem ao meio-dia. Também é mais fácil conseguir boas instalações a preços mais baixos durante a semana.

Antecipando a reserva da estadia, os turistas podem escolher as melhores localizações, que facilitam os deslocamentos entre uma atração e outra. Os quartos próximos às praias têm alta procura e ficam indisponíveis mais rapidamente, portanto os atrasados são relegados aos quarteirões mais distantes do mar.

Verifique o que seu hotel pode oferecer

Outro fator que traz economia a uma viagem é a quantidade de benefícios que a hospedagem oferece. Existem hotéis e pousadas que incluem apenas o café da manhã nas diárias, enquanto em outros todas as refeições fazem parte da tarifa.

Essa informação é muito importante, uma vez que o orçamento dos viajantes pode ter um grande acréscimo com a alimentação. Já os estabelecimentos que oferecem atividades de lazer internas são boas opções para viagens em família, que requerem locais com atrações para todas as idades do grupo.

Existem resorts no litoral nordestino, por exemplo, em que os hóspedes pagam uma tarifa e não precisam colocar a mão no bolso para mais nada. Isso inclui refeições, passeios e práticas esportivas no mar (mergulho, caiaque, stand-up paddle, windsurf, kitesurf, entre outras comodidades).

Traslado e amenidades

Os hotéis podem oferecer também o traslado entre o aeroporto e o local de hospedagem. Essa prática evita que os turistas tenham de pegar um táxi ou se aventurar no transporte público — que, em muitos lugares, são bastante confusos. O serviço de transporte antecipa a chegada dos viajantes ao destino, permitindo que já curtam o local poucas horas depois de desembarcarem.

Amenidades disponíveis nos quartos podem trazer economia, pois itens básicos (uma xícara de café ou garrafas de água) como cortesia diminuem bastante os custos da viagem. Um bom sinal de internet, cofre, TV a cabo, lavanderia automática e outros serviços úteis inclusos na diária ajudam a poupar dinheiro.

Faça suas refeições em lugares baratos

A alimentação é indispensável durante o dia a dia, no entanto trata-se de um item com o qual é possível economizar na viagem. Tudo bem que é muito legal ter uma experiência gastronômica diferenciada às vezes, porém os restaurantes de maior renome dos destinos turísticos são, em geral, os mais caros durante a alta temporada.

Procure por casas fora dos circuitos de turismo, nos quais os comerciantes costumam elevar os preços devido à boa localização. Busque dicas com moradores locais, que sempre conhecem ótimos restaurantes de comidas típicas. É comum que os pratos nesses lugares sejam fartos e tenham preços mais em conta.

Quando o passeio envolve andar o dia todo pela cidade, uma boa maneira de se alimentar sem gastar muito é provando a comida de rua. Na Europa, existem milhares de barraquinhas de pratos árabes, como o kebab (sanduíche de carne temperada com especiarias, hortaliças e muitos vegetais). Além de deliciosa, essa refeição sai por menos de 5 euros.

Na Alemanha, existem os quiosques que servem a wurst (salsichas de diversos tipos de carnes e temperos), muito saborosa e com preço bem camarada. Já na Bélgica, uma comida rápida e barata é a famosa batata frita, sempre bem crocante por fora e macia por dentro. Para a sobremesa, você pode pedir um waffle com quantas coberturas quiser, gastando cerca de 10 euros com tudo.

Nos demais continentes, a regra é a mesma: aproveitar o melhor da culinária local, mas economizando ao máximo. Em Tokyo, no Japão, existem as casas de sushi e sashimi que cobram fortunas pelo melhor da gastronomia nipônica.

Provar as delícias preparadas na sua frente pelos mestres da cozinha japonesa é uma experiência incrível. No entanto, a conta será bem salgada. A saída é visitar os izakayas, restaurantes populares da capital do Japão que servem comidas deliciosas e bem mais em conta.

Um combo com arroz, uma carne e vegetais pode sair a partir de 5 dólares. Os pratos têm uma quantidade suficiente para uma pessoa, embora seja comum pedir porções de karague (suculentos pedaços de frango empanados e fritos) e guioza (pastéis assados no vapor e recheados com carne de porco ou legumes) para acompanhar.

Uma boa tática durante a viagem é comer em locais baratos durante o dia para poder aproveitar um restaurante mais requintado no jantar. Esse equilíbrio nas contas permite que os viajantes gastem menos, porém sem perderem a oportunidade de saborear o melhor da cozinha do destino turístico eleito.

Viaje em grupo

Você já ouviu aquela máxima que diz: “nenhuma felicidade é completa sem outras pessoas ao seu lado”? Durante as viagens, que são momentos de descobertas e novas experiências, nada melhor do que estar junto a quem você mais ama.

Além da companhia para encarar destinos desafiadores, viajar em grupo é um bom modo de economizar. Afinal, fica mais barato fretar um transporte para quatro ou mais pessoas do que pagar por um táxi só para você, por exemplo.

Quando a jornada é com mais viajantes, os custos são diluídos entre os participantes, aliviando o orçamento para poder gastar com outras aventuras. Alugar uma casa para um grupo, que seja perto de uma atração concorrida na alta temporada, é bem mais fácil e econômico em comparação com um quarto de hotel para uma ou duas pessoas.

Os passeios também ficam mais em conta quando contratados em grupo, já que os serviços de turismo podem dar descontos para fechar uma diária com o seu pessoal. Quando as atividades são feitas em conjunto, há a chance de moldá-las conforme os gostos dos viajantes. Essa customização já não é possível quando você embarca sozinho, pois existem trajetos predefinidos para todos os turistas.

As viagens em grupo ajudam inclusive na economia com a alimentação, pois dá para organizar refeições comunitárias (que acontecem quando o seu pessoal compra os ingredientes e todos cozinham juntos). Essa é uma excelente maneira de fortalecer os laços entre amigos e familiarestornando a viagem um momento inesquecível de suas vidas.

Outro aspecto interessante de viajar com mais pessoas é a segurança, já que sempre tem alguém cuidando do outro, facilitando a resolução de problemas e ajudando no transporte de bagagens em um grupo. Além do mais, quando nos aventuramos acompanhados mundo afora, as experiências ficam muito mais divertidas.

Faça um seguro para viagens internacionais

Ao sairmos em uma viagem, todos estamos sujeitos a riscos que vão desde pequenas ocorrências, como a perda ou o furto de documentos, até problemas graves de saúde. Se essas situações causam dores de cabeça enormes mesmo no Brasil, durante as férias no exterior elas podem se tornar verdadeiras provações.

Quando a aventura é fora do país, o recomendado é que todos os turistas tenham um seguro de viagem. Esse tipo de serviço oferece a cobertura de dezenas de itens, que são garantidos pela seguradora em todo o mundo.

Nas nações da União Europeia, ter um seguro de viagem é obrigatório para conseguir o visto de entrada temporário e passear pelo Velho Continente. A falta desse tipo de cuidado pode impedir o desembarque nos países e terminar até na deportação imediata dos passageiros.

Para garantir a tranquilidade do seu período de folga, portanto, o indicado é contratar um seguro antes do embarque. Existem dezenas de empresas especializadas nesses serviços, que não custam tão caro se você considerar as despesas que uma ocorrência mais grave pode gerar.

Em geral, os clientes pagam apenas pelos dias que durarem a viagem, com os valores variando conforme o destino. É comum que os seguros possam ser parcelados pelos viajantes — uma facilidade que ajuda muito no equilíbrio do orçamento da jornada.

Utilize milhas para comprar as passagens aéreas

Hoje em dia, um dos modos mais econômicos para viajar de avião é usando milhas aéreas, que são pontos acumulados pelos passageiros que voam por determinada companhia. Quando os clientes obtêm um saldo significativo com esses pontos, podem trocá-lo por bilhetes para todas as partes do planeta.

Contudo, quem viaja com pouca frequência tem enormes dificuldades em conseguir as milhas necessárias para embarcar de graça numa nova aventura. Isso se deve aos altos patamares de acúmulo de pontos que as companhias impõem, tornando difícil a troca por passagens.

Facilitando o acesso de mais pessoas às viagens nacionais e internacionais, empresas especializadas em negociações de bilhetes aéreos com milhas oferecem boas condições para você embarcar rumo às férias dos seus sonhos. Nesse tipo de serviço, o cliente seleciona a origem e o destino do trajeto de avião, bem como as datas de ida e retorno.

O procedimento é parecido com a compra de passagens nos sites das companhias aéreas, no entanto as tarifas para aquela rota selecionada serão apresentadas em milhas, fornecidas pela empresa contratada. A diferença é que os passageiros vão pagar pelos assentos em dinheiro, mesmo que os tíquetes sejam expedidos por meio das milhas.

O serviço de compra de passagens usando milhas traz bons descontos, que podem variar entre 20% e 50% do valor original. Essa atividade é regular no Brasil, além de ser usada em muitos países no exterior.

Organize bem as bagagens

Com as mudanças nas regras para que os passageiros despachem suas malas, as companhias aéreas podem cobrar de maneira separada por esse serviço. No ato da compra da passagem, os turistas devem ficar atentos para perceber se a tarifa escolhida inclui ou não o envio dos volumes.

Nas viagens de avião, em geral, os turistas têm direito a despachar bagagens de até 23 quilos cada. As dimensões da mala não podem ultrapassar 158 centímetros, somando a altura, a largura e o comprimento do item.

Quando o passageiro precisar embarcar com bagagens adicionais, além da franquia oferecida pela companhia, estará sujeito a cobranças bem altas. O valor varia conforme o peso, o tamanho e a quantidade de volumes a mais despachados. As cobranças podem ser acumulativas, elevando muito o custo da viagem.

Medidas e itens permitidos na bagagem de mão

Para evitar prejuízos, um bom modo de economizar é usando a bagagem de mão, que pode ser levada dentro da cabine sem nenhum custo extra. Para ser aceita a bordo, essa mala deve ter no máximo dez quilos. Suas dimensões precisam estar de acordo com os parâmetros preestabelecidos de 55 cm x 35 cm x 25 cm (altura, largura e comprimento).

Preste atenção nas regras das bagagens de mão, já que existe uma série de produtos que não é permitida na cabine. Itens de higiene pessoal (shampoo, cremes, loções, perfumes, maquiagens) em frascos acima de 100 ml são alguns dos exemplos.

Caso as equipes de segurança encontrem objetos proibidos na mala, eles serão confiscados e descartados. Quando a bagagem de mão extrapola alguma das condições acima, os comissários de bordo podem solicitar que o passageiro despache o volume, trazendo novos custos para a viagem.

Os bilhetes de categorias superiores, como executiva e primeira classe, tendem a oferecer melhores condições para os passageiros, como um limite maior de volumes a ser despachado. Consulte as condições da sua tarifa em relação às bagagens antes de fechar o negócio.

Embarque na melhor aventura da sua vida

Viajar é um dos melhores investimentos que fazemos, pois as experiências que vivemos quando exploramos novos destinos ficam eternizadas. Como vimos, é possível realizar a aventura dos seus sonhos gastando pouco mesmo na alta temporada.

Quer entender melhor como funciona a compra de passagens aéreas com milhas? Dê uma olhada neste outro conteúdo que preparamos para ajudar você a embarcar mais vezes rumo aos melhores destinos do mundo. Com o nosso passo a passo, vai ficar muito mais fácil economizar em suas reservas de voos. Aproveite!

Fonte: Maxmilhas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *